Chip para deixar crianças mais inteligentes? Confira a opinião dos adultos

Pesquisa foi feita em 16 países da Europa e teve aprovação de 52% dos entrevistados.

0

Já imaginou ter um chip instalado em seu cérebro que seria capaz de aumentar suas capacidades intelectuais, auxiliando a falar idiomas com mais facilidade ou realizar operações matemáticas com mais rapidez? Então, essa realidade pode não estar mais tão distante. 

De acordo com uma pesquisa da Kaspersky feita em países europeus, mais da metade dos adultos concordaria com o uso de um chip para melhorar a capacidade de aprendizagem das crianças. 

Para 52% dos adultos entrevistados pela Kaspersky, a implementação da tecnologia seria algo “bastante” ou “completamente” aceitável. O questionamento foi feito para 14,5 mil pessoas espalhadas em 16 países. 

Contudo, embora muitas pessoas tenham interesse pela tecnologia, poucos teriam coragem de se voluntariar para um experimento. Apenas 22% dos entrevistados estariam dispostos a emprestar seu cérebro para implementar o chip. 

Por outro lado, as pessoas mais jovens revelaram mais interesse em aumentar a capacidade cerebral. Considerando os entrevistados com idades de 18 a 34 anos, 27% aceitariam ser submetidos a esse tipo de experimento. A porcentagem diminui para 22% na geração de 35 a 54 anos e fica em 17% para os maiores de 55 anos. 

Entre os entrevistados, 49% acredita ser “completamente” ou “principalmente” aceitável aproveitar a tecnologia de Aprimoramento Humano (Human Augmentations) para aumentar a inteligência humana. Com relação ao aprimoramento do corpo de forma permanente ou temporária, 63% considerariam a possibilidade. 

O estudo foi realizado entre julho de 2020, abrangendo apenas indivíduos com mais de 18 anos. Os seguintes países participaram: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Hungria, Itália, Marrocos, Países Baixos, Portugal, Reino Unido, República Checa, Romênia e Suíça.

Leia também: App para ajudar na alfabetização de crianças é lançado pelo Ministério da Educação

você pode gostar também