Conheça: Auguste Comte

O renome desse filósofo francês foi grande o suficiente para que, até hoje, suas conclusões científicas afetassem o cotidiano das sociedades

0

Nascido em Montpellier, na França, Auguste François Xavier Comte (1798 – 1857) foi um renomado filósofo e sociólogo francês que se destacou por suas contribuições com a disciplina de Sociologia e a criação do Positivismo.

Boa parte de seus estudos foi realizada em sua cidade natal, após finalizar o segundo grau, ingressou na Escola Politécnica de Medicina, em Paris. Entretanto, em 1816, após um fechamento temporário e inesperado da Escola, retorna a Montpellier e continua seus estudos. Um ano depois retorna à Escola, em Paris, mas é expulso por divergências ideológicas com a instituição e novamente retorna para a cidade em que nasceu e foca seus estudos em filosofia.

Seu interesse por questões políticas e sociais surgiu quando se tornou secretário do economista e filósofo francês Saint-Simon (responsável pela criação do socialismo moderno). Nessa época, Comte começou a escrever o livro “Curso de Filosofia Positiva”.

O ano de 1826 foi um ano complicado quando se trata da saúde de Auguste Comte, pois além de ter sofrido com diferentes problemas de saúde, precisou ser internado em um hospital psiquiátrico. Em 1832, logo após ter alta do hospital, se tornou docente da Escola Politécnica de Paris, onde permaneceu até 1844.

O único relacionamento amoroso registrado na história de vida do filósofo foi com a escritora francesa Clotilde de Vaux, durante 1845. Entretanto, um ano após começarem a se relacionar, Clotilde faleceu; mas continuou sendo a “musa inspiradora” de Comte no desenvolvimento de suas obras.

Após sair da Escola Politécnica de Paris, Comte passou por muitas dificuldades financeiras, onde precisou ser ajudado por diversos amigos e familiares. Além disso, para conseguir sobreviver, esporadicamente atuava como professor particular de matemática.

Auguste Comte faleceu com 59 anos, em 1857, vítima de um câncer no estômago. O filósofo passou seus últimos nove anos de vida trabalhando na teoria da Sociedade Positivista.

Ideias e realizações

As ideias e pensamentos de Auguste Comte tinham um caráter socialista utópico, baseado em teorias iluministas e romantistas. Nessa linha, criou a corrente filosófica positivista. De acordo com essa teoria, só se mede o conhecimento verídico sobre determinada coisa por meio de experimentação científica orientada por exposição de fatos ou oposição de ideias.

Comte acreditava que as características das transformações ocorrentes durante o período das revoluções industriais europeias deveriam ser analisadas cuidadosamente, pois, para ele, os problemas sociais precisam ser explorados e analisados com o mesmo rigor científico que as demais áreas da ciência.

O filósofo francês ainda postulou a Lei dos Três Estados, que teoriza e classifica o pensamento humano em teológico (também chamado de fictício, onde o homem procura explicações sobrenaturais ou divinas que expliquem os fenômenos sociais e naturais), metafísico (transição entre os estados teológico e positivo, onde os humanos abandonam parcialmente os valores espirituais e começam a fazer investigações rasos baseados apenas em questionamentos sobre a natureza) e positivo (ocorre quando a observação humana é substituída pela imaginação e a abstração do presente).

Criou o termo Sociologia para representar uma doutrina social que tem por base princípios científicos e é dividida no estudo das estatísticas sociais das forças que mantém a coesão social e nas dinâmicas sociais em si.

Teorizou também o Positivismo, que determina que a análise dos fatos desconsidera a causa desses acontecimentos; acredita em uma sociedade organizada, onde prevalece a ciência em lugar do poder espiritual.

Por fim, Auguste Comte instituiu a Religião da Humanidade, que pregava uma disciplina rígida aos muitos adeptos que conquistou. Realizou diversas palestras públicas e eventos para propagar sua religião, que teve grande aceitação em muitos países, especialmente Brasil, México e Chile.

Obras

  • Opúsculos de Filosofia Social (1816-1828)
  • Plano de Trabalho Científico para Reorganizar a Sociedade (1822)
  • Curso de filosofia positiva (1830-1842)
  • Discurso sobre o espírito positivo (1848)
  • Discurso sobre o conjunto do Positivismo (1851)
  • Sistema de política positiva (1851-1854)
  • Catecismo positivista (1852)
  • Apelo aos conservadores (1855)
  • Síntese subjetiva (1856)
  • Correspondência (1816-1857)

Curiosidades

  • Em prol de seu curso de filosofia moderna, Comte chegou a escrever cerca de 6 livros em 12 anos (1830 – 1842).
  • O lema da bandeira nacional brasileira teve como inspiração a teoria Positivista criada por Auguste Comte. Em especial, a frase “O Amor por princípio e a Ordem por base; o Progresso por fim.”
  • No Brasil, o casamento civil, Estado laico e a extinção do anonimato na imprensa foram baseados na doutrina de Comte.

Frases

“A moral consiste em fazer prevalecer os instintos simpáticos sobre os impulsos egoístas.”

“Ninguém possui outro direito senão o de sempre cumprir o seu dever.”

“A liberdade é o direito de fazer o próprio dever.”

“O Progresso é a lei da história da humanidade, e o homem está em constante processo de evolução.”

“Não se conhece completamente uma ciência enquanto não se souber da sua história.”

“Nem sempre é possível ou conveniente suspender o juízo.”

“Toda a educação humana deve preparar todos para viverem pelo outro a fim de reviverem no outro.”

“Só os bons sentimentos podem unir-nos uns aos outros; nunca o interesse mesquinho determinou laços firmes.”

“Superiores pelo amor, mais dispostas a subordinar a inteligência e a atividade ao sentimento, as mulheres constituem espontaneamente seres intermediários entre a Humanidade e os homens.”

“O progresso não é mais do que o desenvolvimento da ordem.”

“Não existe sociedade sem governo, assim como governo sem sociedade.”

“Progredir é conservar melhorando.”

“Saber para prever, a fim de poder.”

“O tempo corresponde a regular o presente a partir do futuro deduzido do passado.”

“Viver para os outros é não somente a lei do dever como da felicidade.”

“Cansamo-nos de agir e até de pensar, mas jamais nos cansamos de amar.”

“Tudo é relativo, eis o único princípio absoluto.”

você pode gostar também