Conheça o imperador brasileiro Dom Pedro II

Dom Pedro II foi o segundo e último imperador brasileiro, permanecendo como autoridade máxima no país por 58 anos até a Proclamação da República

0

Dom Pedro II foi o segundo e último imperador do Brasil, permanecendo no poder do país por 58 anos, de 1831 até 1889. Como monarca, ele recebeu a alcunha de o Magnânimo devido a sua nobreza e generosidade. Durante seu governo, o país foi vitorioso em três guerras internacionais e também prevaleceu em tensões internas.

Além de monarca, Pedro II também foi conhecido por ser um erudito patrocinador do conhecimento, da cultura e da ciência. Ele era admirado por estudiosos, como Graham Bell, Charles Darwin, Victor Hugo e Friedrich Nietzsche, e amigo de cientistas, como Louis Pasteur.

Biografia

Dom Pedro II nasceu no dia 2 de dezembro de 1825 no Rio de Janeiro. Ele era filho do imperador Dom Pedro I e da imperatriz Dona Maria Leopoldina da Áustria, sendo membro da Dinastia de Bragança.

Seu nome completo era Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga.

Dona Maria Leopoldina faleceu em 1826, quando Pedro tinha apenas um ano de idade. Seu pai, Dom Pedro I, deixou o país em 1831, nomeando Pedro, aos 5 anos de idade, como príncipe regente. Então, toda a educação do futuro imperador foi dada por um grupo de preceptores, sendo José Bonifácio de Andrada e Silva o principal deles.

Os estudos de Pedro II contemplavam aulas de artes, história, geografia, ciências naturais, letras, línguas, equitação e esgrima. Enquanto criança, sua rotina era composta por muitas horas de estudo e apenas duas de recreação.

De acordo com historiadores, a perda dos pais e a infância solitária tornaram o imperador tímido, carente e com tendência de enxergar livros como refúgio.

Dom Pedro II era o sétimo filho de Pedro I, mas se tornou o herdeiro devido a morte precoce de seus irmãos mais velhos. Ele foi nomeado Imperador do Brasil aos 14 anos, em 1840.

Três anos após assumir o trono, ele se casou com a princesa Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias. Aos 17 anos de idade, Pedro ficou desapontado com a aparência da princesa, o que dificultou o início do relacionamento. Contudo, Teresa Cristina se esforçou para ser uma boa esposa e ambos encontraram interesses em comum, facilitando a vida em família. O casal teve 4 filhos, porém os dois meninos morreram ainda na infância.

Governo

Pedro II foi colocado no poder aos 5 anos de idade, quando seu pai abdicou o trono e retornou para Portugal. No entanto, a Constituição outorgada por D. Pedro I determinava que um imperador só seria considerado maior de idade aos 21 anos. Dessa forma, Pedro II foi nomeado príncipe-regente em 1931, mas quem governava era um grupo de três regentes de diferentes grupos políticos.

Durante o Período Regencial, muitas revoltas aconteceram, deixando a situação política instável. Com o objetivo de reunir a nação em torno de só um governante, o parlamento brasileiro mudou a lei para que Pedro, aos 14 anos de idade, pudesse ser tornar imperador, em 1840. A ação ficou conhecida como Golpe da Maioridade.

Dom Pedro II ficou conhecido por seu caráter conciliador, que buscava atender diferentes grupos políticos e sociais. O foco do seu governo foi o desenvolvimento econômico e social do Brasil. No entanto, ele também fez oposição à igreja, à elite e aos militares.

No seu governo, foram construídas as primeiras linhas telegráficas e a primeira estrada de ferro do país. Dom Pedro II não permaneceu apenas na capital, viajando também pelo interior do Brasil para medir sua popularidade e para a Europa, com objetivo de conhecer inovações tecnológicas.

Embora em um país escravocrata, Pedro também tinha um caráter republicano e abolicionista. Durante o Segundo Reinado, foi aprovadas diversas leis que possibilitaram o fim da escravidão: a Lei Bill Aberdeen (1845), a Lei Eusébio de Queirós (1850), a Lei do Ventre Livre (1871), a Lei dos Sexagenários (1887) e, por fim, a Lei Áurea (1888).

No âmbito militar, Dom Pedro II foi capaz de prevalecer diversas revoltas por todo o país, como a Revolta dos Liberais, em 1842, em Minas Gerais e São Paulo; a Guerra dos Farrapos, em 1845, no Rio Grande do Sul e a Revolução Praieira, em 1848, em Pernambuco. Também foram vencidas as Guerras do Prata (1850), do Uruguai (1864) e a do Paraguai (1865).

O fim do Império foi causada por um golpe de Estado, em 1889. A República foi instituída por militares, comandados por Deodoro da Fonseca, com o apoio de políticos republicanos e de proprietários de terras insatisfeitos com o fim da escravidão.

Dom Pedro II e sua família saíram do Brasil para um exílio em Paris, onde ele faleceu em 1891, aos 66 anos, por causa de uma pneumonia. O funeral de Dom Pedro II teve todas as honrarias de chefe de Estado, com a presença de diversos governantes mundiais e cerca de 300 mil assistindo o evento.

Curiosidades

  •  A Coroa de Dom Pedro II foi feita com as pedras preciosas da Coroa de seu pai. No total, era feita de ouro e tinha 639 brilhantes e 77 pérolas, pesando 1,7 kg;
  • Dom Pedro II casou-se com a princesa Teresa Cristina por procuração. No entanto, ainda foi feita uma luxuosa celebração no Rio de Janeiro para reforçar os votos feitos;
  • Entre os interesses acadêmicos de Pedro II, estavam  antropologia, geografia, geologia, medicina, direito, estudos religiosos, filosofia, pintura, escultura, teatro, música, química, poesia e tecnologia;
  • Ele também sabia falar e escrever em português, latim, francês, alemão, inglês, italiano, espanhol, grego, árabe, hebraico, sânscrito, chinês, provençal e tupi;
  • Dom Pedro II foi o primeiro brasileiro fotógrafo por ter adquirido uma câmera de daguerreótipo em 1840;
  • Ele construiu um laboratório fotográfico e um de química e física, além de um observatório astronômico;
  • Ele também foi membro de diversas academias científicas e de artes ao redor do mundo
  • Sobre Dom Pedro II, Charles Darwin disse: “O imperador faz tanto pela ciência, que todo sábio é obrigado a demonstrar a ele o mais completo respeito”;
  • Durante o exílio, no final de sua vida, Pedro II escrevia no seu diário sobre sonhos em que ele podia retornar ao Brasil;
  • As suas últimas palavras foram: “Deus que me conceda esses últimos desejos — paz e prosperidade para o Brasil”;
  • Ele deixou um pacote com terra de todas as províncias brasileiras para ser colocado dentro de seu caixão;
  • Os restos mortais de Dom Pedro II foram trazidos ao Brasil como os de um herói nacional.

Veja também: Princesa Isabel: Biografia, Abolição da escravidão, Curiosidades

você pode gostar também