Revolução Russa (1917)

Com a Revolução Russa, a Rússia foi o primeiro país a tentar colocar em prática ideias socialistas, elaboradas por Marx e Engels, se tornando um dos principais episódios do século XX.

0

A Revolução Russa (1917) é considerada um dos principais episódios ocorridos no século XX por ter conseguido depor a monarquia russa e colocado no poder um partido soviético, o Partido Bolchevique.

Foi a primeira vez na história que uma revolução foi influenciada pelos ideais socialistas de Marx e Engels.

Revolução Russa – Resumo

O sistema político que organizava a sociedade russa era absolutista com o poder centralizado nas mãos de uma só pessoa, o czar. Esse sistema predominou na Rússia do século XVI ao início do XX.

No início do século XIX, os camponeses viviam dominados pela nobreza latifundiária. A economia, ainda feudal, gerava uma forte tensão social, pois os trabalhadores rurais viviam em estado de extrema pobreza e pagavam altos impostos para manter o sistema czarista de Nicolau II.

A economia feudal atrasava a modernidade do país. Seus vizinhos europeus se modernizaram e investiram na indústria, enquanto a Rússia ainda sustentava uma economia fundamentalmente agrícola (sistema feudal).

A insatisfação com o governo do czar era grande. Tanto os trabalhadores rurais, quanto os urbanos poucos se viam descontentes com a forma de governo do czar.

Visando melhorar a relação com os súditos, o czar Alexandre II (1855 – 1881), estabeleceu algumas mudanças, como a emancipação dos servos em 1861. Tal feito teve como consequência uma maior liberdade de produção e comercialização dos camponeses.

A reforma agrária, com a ocupação de novas terras vendidas aos camponeses, foi outra mudança. O país aumentou sua produção e se tornou um exportador de grãos.

Porém, uma grande quantidade de terras ainda pertencia à nobreza. Tal situação proporcionaria em 1917 uma das principais reivindicações da Revolução: a distribuição de terras.

Ainda no século XIX, o início da modernização industrial em algumas regiões como, São Petersburgo e Moscou, criou uma expressiva classe operária oriunda do campesinato provocando um aumento populacional que aprofundou os problemas sociais na Rússia. O desemprego aumentou e a produção agrícola passou a ser insuficiente para alimentar a população.

Com isso, a população se revoltou. Visando resolver o problema, o czar começou a estimular a industrialização, se apoiando em capital estrangeiro. O Império Russo se moderniza nas últimas décadas do século XIX. Contudo, o absolutismo e as precárias condições de vida se mantém tanto no campo, quanto na cidade.

Os operários passaram a se organizar – mesmo os partidos políticos sendo proibidos – formando grupos de oposição ao czarismo. O Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR), liderado por Plekhanov e Lenin, influenciado por ideais marxistas, era o mais famoso deles.

As divergências de pensamentos dentro do partido, fez com que o mesmo se fragmentasse em dois:

  • Bolcheviques (maioria, em russo): Constituíam a maioria do partido. Liderados por Lenin, defendiam a revolução socialista e a ditadura do proletariado. Para alcançar tal objetivo, a luta armada seria necessária.
  • Mencheviques (minoria, em russo): Para esse grupo, a revolução deveria ser moderada. Ou seja, para o proletário alcançar o poder, seria necessário o amadurecimento do capitalismo, para depois ocorrer a instalação do socialismo, que seria alcançado de modo pacífico, por via das eleições.

Em 1904 ocorreu a Guerra Russo Japonesa. A Rússia saiu derrotada, aumentando a rejeição do povo ao czar.

Em janeiro de 1905, a multidão de insatisfeitos, comandada pelo padre Gregori Gapone, se dirigiu desarmados ao Palácio de Inverno, com o intuito de manifestarem suas insatisfações por meio de um abaixo assinado com várias exigências (jornada de trabalho para 8 horas, eleição de uma Assembleia Nacional, liberdade de reunião, entre outros).

Foram recebidos a tiros pelas tropas de czar Nicolau II. Deixou centenas de mortos e fortaleceu a oposição de vários setores da sociedade ao czar. Esse episódio ficou conhecido como Domingo Sangrento.

Devido a pressão revolucionária, o czar promulgou uma Constituição e convocou eleições para a Duma (Parlamento). Dessa maneira, a Rússia passou a ser uma monarquia constitucional. Contudo, o czar ainda concentrava grande parte do poder em suas mãos, deixando o Parlamento com uma atuação limitada.

Entre 1907 e 1914 o país viveu um período de certa calmaria.

A Rússia na Primeira Guerra Mundial

A Rússia, durante a Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918), integrou a Tríplice Entente, juntamente com a Inglaterra e a França. As sucessivas derrotas e os gastos com o conflito aprofundaram a pobreza no país. Dessa maneira, a Rússia se viu militarmente devastada e economicamente prejudicada.

A Revolução

Em fevereiro de 1917, uma manifestação em prol do Dia Internacional da Mulher, em São Petersburgo, se transformou em um protesto geral. A manifestação conseguiu o apoio dos soldados insatisfeitos com o resultado da Rússia na guerra. As manifestações ganharam força.

No mesmo mês, invadiram o palácio e forçaram a renúncia de czar. Os soldados e operários constituíram os sovietes (ou Conselhos Operários).

A burguesia e a aristocracia se organizavam na Duma e os trabalhadores, soldados e camponeses organizavam-se nos sovietes. Tal movimento ficou conhecido como duplo poder.

As principais reivindicações eram: a saída da guerra, medidas para acabar com a fome, distribuição de terras.

Ainda em fevereiro, ocuparam o poder, os mencheviques e um governo liberal, a República de Duma (Assembleia Nacional da Rússia). Tais governos adotaram medidas afim de agradarem a burguesia. Os mencheviques não atenderam às reivindicações dos camponeses por terras, nem a dos operários por melhores salários. A oposição bolchevique se fortaleceu.

Para Lenin  que voltou do exílio clandestinamente  a revolução era o único meio dos operários chegarem ao poder. Com isso, Trotsky e Lenin passaram a recrutar operários e camponeses para a tomada do poder.

Após alguns meses de organização, os bolcheviques derrubaram a República da Duma e instalaram o Conselho dos Comissários do Povo, comandados por Lenin. Tal episódio ficou conhecido como Revolução Bolchevique.

Algumas das consequências dessa Revolução, foram: reforma agrária, estatização dos bancos e indústrias, a Rússia sai da Primeira Guerra Mundial.

A Guerra Civil Russa

Em 1918, os mencheviques (Exército Branco) reagem e entram em confronto com os bolcheviques (Exército Vermelho), iniciando a Guerra Civil na Rússia.

Como não recebiam financiamento externo, toda a produção russa foi destinada para a guerra. Uma política econômica chamada de “comunismo de guerra”.

Em 1921, o Exército Vermelho vence. Lenin, visando uma recuperação da economia, estabeleceu a Nova Política Econômica (NEP), que consistia em medidas capitalistas temporárias, criando empresas privadas.

O governo autorizou a entrada de capital estrangeiro, com o intuito de “preparar o terreno” para o socialismo. Contudo, a presença do Estado na economia ainda se fazia forte.

A NEP, contribuiu para o crescimento econômico do país, mas, em contrapartida, aprofundou as desigualdades sociais.

Conclusão

Após a morte de Lenin em 1924, iniciou-se uma disputa pelo poder entre Trotsky e Stalin.

Stalin vence e assume o poder, ao mesmo tempo em que Trotsky é expulso do país.

Com Stalin (1924 – 1953), a URSS viveu um período de governo totalitário e arbitrário. Aliado aos Estados Unidos e Reino Unido, a URSS foi durante a II Guerra Mundial, um dos principais inimigos do nazismo.

Após a Guerra, ela alcançou o título de segunda maior potência mundial.

Veja também: 

você pode gostar também