Segundo Reinado (1840-1889)

O Segundo Reinado foi a fase da história do Brasil em que o país foi governado por Dom Pedro II.

0

O Segundo Reinado foi o período marcado pelo comando de Dom Pedro II no governo do Brasil. Iniciado com o Golpe da Maioridade, em 1840, fato que permitiu que D. Pedro II assumisse o trono do país com apenas 14 anos de idade.

Essa fase se caracterizou pela:

  • Abolição gradual da escravidão;
  • Relativa paz entre as províncias;
  • Guerra do Paraguai (1864–1870).

Que fato marcou o início do Segundo Reinado?

O fato que marcou o início do Segundo Reinado, foi a criação do Gabinete da Maioridade, composto pelos liberais que apoiaram a ascensão de Dom Pedro II ao trono. Rapidamente, convocou as eleições para a Câmara dos Deputados.

No início de 1841, D. Pedro II fechou o gabinete liberal e formou um ministério conservador. Os regressistas, ao voltarem ao poder, restabeleceram o Conselho de Estado e consolidaram as instituições policiais, além de cercearem as liberdades individuais.

Ao ser convencido de que os liberais forjaram a vitória para as eleições na Câmara dos Deputados, D. Pedro II, dissolve a Câmara e convoca novas eleições, em 1842.

A política centralizadora possibilitou, no entanto, o acordo com as elites regionais insatisfeitas com os mandos do governo.

Quais foram os fatos que marcaram o Segundo Reinado?

Diversos fatos marcaram o Segundo Reinado. Podemos citar o crescimento da produção de café, que possibilitou o desenvolvimento do Brasil em diversos aspectos: o país se tornou o maior exportador de café do mundo.

A mão de obra escrava se manteve como a responsável pela geração de riquezas do Império, pois era a mais utilizada nas lavouras.

O aumento da produção cafeeira permitiu que o governo e os fazendeiros investissem os lucros na melhoria dos transportes para o escoamento e distribuição do produto.

Dessa maneira, houve a expansão das ferrovias que viabilizou o crescimento e surgimento de novas cidades e o desenvolvimento do comércio e da indústria no Brasil.

A partir da metade do século XIX, a mão de obra livre começou a se tornar mais recorrente no país, principalmente nas plantações de café.

Guerra do Paraguai

A Guerra do Paraguai (1864–1870) foi um dos fatos que marcaram o Segundo Reinado. Ela foi o maior enfrentamento armado já ocorrido na América do Sul.

Travada entre o Paraguai e a Tríplice Aliança, formada pela Argentina, Brasil e Uruguai, a guerra durou cerca de 6 anos, comprometendo grande parte dos recursos financeiros do país e envolvendo pessoas despreparadas para lutarem no conflito. Entre elas estavam escravos, mestiços, fugitivos e mulheres.

A Tríplice Aliança saiu vitoriosa. O Paraguai teve grande parte da sua população morta e as suas terras foram divididas entre o Brasil e a Argentina.

Movimento abolicionista

O movimento abolicionista esteve entre um dos fatos que marcaram o Segundo Reinado. Integrado tanto por republicanos quanto monarquistas, seus membros eram estudantes, profissionais liberais, comerciantes, escravos, ex-escravos.

O principal objetivo desse movimento era combater a escravidão. Como justificativa, alguns apontavam que a mão de obra livre incentivaria a produtividade e que o fim da compra de escravos, possibilitaria investimentos em outras áreas.

Com isso, algumas medidas foram tomadas para diminuir gradativamente a mão de obra escrava no país. Uma delas foi a Lei do Ventre Livre, em 1871, que declarava que todos os filhos de escravas nascidos a partir daquela data, eram livres. Porém, o dono da mãe poderia usufruir do trabalho do filho, até que ele completasse 21 anos de idade.

Já a Lei dos Sexagenários, determinava que escravos acima dos 60 anos eram livres. No entanto, essa lei desamparou muitos escravos idosos que foram abandonados. Além disso, poucos conseguiam sobreviver até os 60 anos, tendo em vista a forma como viviam.

Por isso, a expectativa de vida entre os escravos era baixa. E a Lei Áurea, promulgada em 1888, decretou a abolição da escravidão.

Sociedade e cultura no Segundo Reinado

O Segundo Reinado foi um período em que o Brasil atingiu um certo grau de modernização. A construção de ferrovias e indústrias possibilitou uma urbanização.

Com isso, muitas cidades foram fundadas e outras passaram por modernização. Hotéis foram construídos, ruas foram calçadas, postes de iluminação foram instalados e outras melhorias urbanas foram adotadas.

No entanto, esses avanços beneficiaram somente a elite, já que a maior parte da população ficou desamparada e vivendo em péssimas condições.

Em termos culturais, o Brasil recebeu uma forte influência do Romantismo, que valorizava a história, a natureza e a cultura brasileira.

Queda do Segundo Reinado

Parte da elite cafeeira se via insatisfeita com a abolição e por não ter recebido o pagamento de indenizações pela perda de seus escravos.

A crise financeira gerada pela Guerra do Paraguai, causou o descontentamento de grande parte da sociedade. Além disso, a guerra fortaleceu os militares que passaram a querer maior autonomia, participação política e melhores salários.

A segunda metade do século XIX presenciou a criação de diversos clubes e partidos políticos que buscavam mudanças.

Foi criado no Rio de Janeiro o Partido Republicano, em 1870. Em 1873, foi criado em São Paulo, pelos cafeicultores, o Partido Republicano Paulista.

Com isso, grupos civis e militares se uniram para derrubar a Monarquia. Buscaram o apoio do Marechal Deodoro da Fonseca, oficial de destaque que participou da Guerra do Paraguai.

Desapontado com a política militar de D. Pedro II, no dia 15 de novembro de 1889, Deodoro da Fonseca lidera os militares republicanos na invasão do 1° Regimento do Exército e demite o gabinete ministerial. Nesse mesmo dia, a República é proclamada.

Saiba mais em:

você pode gostar também