Baixa Idade Média

A Baixa Idade Média se caracterizou por intensas mudanças políticas, econômicas e sociais na Europa.

0

A Baixa Idade Média envolve os séculos XI ao XV, sendo a fase final da Idade Média. Cenário de intensas transformações, esse período marcou o enfraquecimento do feudalismo e o fortalecimento das cidades e do comércio.

Foi durante a Baixa Idade Média que surgiram os Estados Nacionais, a partir do fortalecimento das Monarquias.

Além disso, a burguesia passa a exercer um importante papel, realizando grandes transformações na sociedade europeia.

Características da Baixa Idade Média

Vejamos algumas das características da Baixa Idade Média:

  • Crise da Igreja Católica
  • Enfraquecimento do feudalismo
  • Renascimento das cidades
  • Surgimento da burguesia
  • Reaquecimento do comércio
  • Centralização do poder nas mãos do monarca
  • Fim da servidão

Tais características marcam a transição do feudalismo para o capitalismo.

Declínio do feudalismo

Entre os séculos X e XI, o mundo medieval passou a conhecer uma fase marcada pela paz, desenvolvimento e segurança, em razão do fim das invasões bárbaras.

O fim das guerras, aliado a uma queda das epidemias e às inovações das técnicas de plantio, desencadearam um expressivo aumento da população europeia.

No entanto, tais técnicas foram limitadas, não conseguindo acompanhar o veloz crescimento populacional.

Assim, o povo do campo partiu rumo às cidades em busca de melhores condições de vida. Com isso, uma parte considerável da população rural passou a habitar nas cidades.

Renascimento urbano

O comércio, praticado por meio da troca e o desenvolvimento agrícola, foram os responsáveis pelo crescimento das cidades.

O renascimento urbano provocou intensas mudanças nas cidades portuárias e vilas, que assumiram um caráter permanente.

Várias cidades se formaram próximas aos castelos fortificados e mosteiros. Elas receberam o nome de burgo que significa, pequena fortaleza povoada.

Os indivíduos que moravam nos burgos e comandavam as atividades comerciais eram a burguesia.

O desenvolvimento do comércio e o consequente fortalecimento da burguesia fizeram com que as cidades passassem a se tornar independentes.

Antes, elas eram financiadas pelos senhores feudais que tinham a burguesia subordinada à eles. A partir do fortalecimento desse novo segmento social, começaram a ocorrer embates, conhecidos como movimentos comunais.

Renascimento comercial

O renascimento comercial ocorreu junto com o avanço das cidades e da produção agrícola e manufatureira.

O setor têxtil e o da construção foram os que mais se destacaram. O comércio interno se concentrava para o abastecimento das cidades.

Entretanto, as atividades econômicas mais lucrativas ocorriam por meio do comércio internacional.

Monetarização

As moedas passam a ser intensamente utilizadas nas trocas comerciais, fazendo surgir, então, uma nova profissão, o banqueiro.

Cruzadas

As Cruzadas foram movimentos militares de inspiração cristã que tinham como objetivo ocupar a Terra Santa e mantê-la sob domínio dos cristãos.

Com o intuito de atrair combatentes, a Igreja Católica concedia privilégios espirituais e materiais às pessoas.  Além disso, esses movimentos foram importantes para a consolidação do comércio no Mediterrâneo.

Crise do feudalismo

A crise do feudalismo ocorreu durante a Baixa Idade Média. O fim desse sistema foi resultado das:

  • Guerras prolongadas
  • Instabilidade demográfica
  • Peste Negra
  • Clima
  • Êxodo rural
  • Renascimento Comercial e Urbano

Enquanto as terras estiveram férteis e haviam servos trabalhando nas lavouras, o feudalismo vigorou.

Sociedade na Baixa Idade Média

O surgimento da burguesia foi um dos fatores que desestabilizaram o sistema feudal. As atividades agrícolas deixaram de ocupar o centro da economia e passaram a ser substituídas pelo comércio urbano.

A ocorrência de revoltas contra a miséria e a fome, somada ao enfraquecimento da nobreza e do feudalismo, fez com que a burguesia se fortalecesse a ponto de lucrar com a compra de terras de nobres falidos.

Guerra dos Cem Anos

A Guerra dos Cem Anos intensificou a crise do sistema feudal. Os inúmeros conflitos vividos entre a Inglaterra e a França durante 116 anos, criaram instabilidade no continente europeu.

Transformações políticas

As monarquias nacionais se fortaleceram durante a Baixa Idade Média. Esse processo de fortalecimento foi complexo devido ao anseio dos burgueses em participar politicamente e do fato de a nobreza lutar pela manutenção dos seus privilégios.

O desenvolvimento do comércio na Europa enfrentou algumas dificuldades em decorrência das medidas, leis, moedas, tributos e taxas que eram específicos a cada região.

Com isso, centralizar o poder representava algo favorável aos burgueses que ansiavam pela unificação dos padrões.

A concentração do poder nas mãos dos monarcas significava o fortalecimento político e o abandono da submissão à Igreja Católica.

Sendo assim, os reis e os burgueses firmaram uma aliança favorável à formação das Monarquias Nacionais.

Saiba mais em:

você pode gostar também
Deixe um comentário