Revolução Francesa

A Revolução Francesa ocorreu na França entre 1789 e 1799 e foi liberada pela burguesia, que pedia mais participação popular na política.

0
A Revolução Francesa foi um movimento revolucionário que aconteceu na França entre 1789 e 1799. O objetivo dos revolucionários era a criação de um regime político com maior participação do povo. Esse movimento foi liderado pelos burgueses, com grande participação popular e um alto grau de radicalismo.

A revolução causou a queda da monarquia absolutista no país, o enfraquecimento do poder da Igreja e o fim da aristocracia. Além disso, a Revolução Francesa iniciou o processo de universalização dos direitos humanos e de criação do sistema de democracia representativa.

Do mesmo modo, a Revolução Francesa causou mudanças sociais e políticas tão profundas que é considerada pelos historiadores como o acontecimento que marcou o fim da Idade Moderna e o início da Idade Contemporânea.

Resumo Revolução Francesa

  • A Revolução Francesa foi um movimento revolucionário que aconteceu na França entre 1789 e 1799;
  • Essa revolução foi liderada pela burguesia francesa;
  • Principais inspirações ideológicas: Iluminismo e Independência dos Estados Unidos;
  • Principais causas: divisão social injusta, crise econômica e insatisfação com o rei absolutista Luís XVI e com o Antigo Regime;
  • O estopim da Revolução Francesa foi a Queda da Bastilha;
  • Na primeira fase da revolução, foi estabelecida uma monarquia constitucional e criada uma Assembleia Nacional Constituinte, que fez:
    • a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão;
    • a Constituição Civil do Clero;
  • Nessa fase, também foram extintos os direitos feudais e outras monarquias absolutistas iniciaram uma guerra contra a França revolucionária;
  • Também ficou evidente a divisão dos burgueses entre girondinos (mais moderados) e jacobinos (mais radicais);
  • Na segunda fase, a França passou a ser uma república governada pela Convenção. No entanto, os jacobinos ordenaram a execução do rei e criaram o Comitê de Salvação Pública para perseguir supostos inimigos da revolução, dando início ao Período do Terror;
  • Na última fase, foi criado um Diretório para governar o país e a alta burguesia passou a desejar um governo mais autoritário, apoiando o golpe de Napoleão Bonaparte, acontecimento que encerrou a Revolução Francesa;
  • Além de iniciar o processo de queda do Absolutismo, a Revolução Francesa popularizou a república como forma de governo, a separação dos Três Poderes e a existência de Constituição, práticas adotadas na maior parte dos países hoje em dia.

Confira abaixo todos as causas, fases e consequências de Revolução Francesa.

Causas da Revolução Francesa

Parte da Revolução Francesa foi motivada por correntes de pensamento populares no século XVIII, que ficou conhecido como Século das Luzes. A primeira dessas correntes é o Iluminismo, que defendia valores do humanismo e da razão. Já a segunda é a Independência dos Estados Unidos, que fortaleceu os ideais de liberdade e igualdade no pensamento dos franceses.

Além disso, no final do século XVIII, a França vivia uma grande crise política, econômica e social. Nesse período, o país era governado pelo rei Luís XVI e a sociedade era dividida em classes sociais chamadas de Estados:

  1. Primeiro Estado: clero;
  2. Segundo Estado: nobreza;
  3. Terceiro Estado: camponeses, burguesia e outros grupo menos favorecidos.

A nobreza e o clero compunham a aristocracia, uma classe privilegiada, que possuía terras, cargos públicos e podia influenciar até mesmo as decisões do rei. Enquanto isso, o Terceiro Estado era composto por trabalhadores de diferentes tipos que deviam pagar altos impostos para sustentar o estilo de vida aristocrata. Toda essa situação é conhecida como o Antigo Regime francês.

Para além da divisão social, também existia uma crise econômica causada pelos gastos excessivos do governo francês e da aristocracia. No entanto, o rei, a nobreza e o clero não queriam abandonar alguns privilégios. Além disso, as colheitas em 1788, subindo o custo de vida da população, o que gerou mais revolta.

Nesse momento, a população tentou organizar uma assembleia, conhecida como Estados Gerais, para resolver a situação de forma diplomática. Contudo, a proposta do Terceiro que buscava estipular o voto individual de cada participante ao invés de um voto por Estado foi vencida. Essa derrota motivou a criação de uma Assembleia Nacional Constituinte, que logo foi fechada pelo rei.

Fases da Revolução Francesa

Dessa forma, a insatisfação com o governo francês e com a divisão em classes sociais, além da influência de ideias iluministas, levou a população de Paris a invadir a Bastilha, prisão que era símbolo do Absolutismo. Assim, o acontecimento ficou conhecido como Queda de Bastilha, evento que marca o início da Revolução Francesa.

Queda da Bastilha retratada em quadro de Jean-Pierre Houël

A partir disso, a Revolução Francesa se estendeu por dez anos, que podem ser divididos em três fases:

  1. Assembleia Nacional Constituinte e Assembleia Legislativa (1789-1792);
  2. Convenção (1792-1795);
  3. Diretório (1795-1799).

Assembleia Nacional Constituinte e Assembleia Legislativa

Na primeira etapa da Revolução Francesa, foram organizadas uma assembleia para escrever uma Constituição para o país, que, mais tarde, foi transformada em uma Assembleia Legislativa.

Logo no começo da revolução, os camponeses atacaram e saquearam propriedades de aristocratas e, muitas vezes, também assinaram os donos das terras. Por causa da radicalização, a Assembleia Nacional Constituinte aprovou a abolição de direitos feudais.

Pouco tempo depois, essa assembleia aprovou a “Declaração dos direitos do Homem e do Cidadão”, que declarava que todos os homens são iguais. Além disso, esse documento também estabeleceu os ideais da Revolução Francesa, resumidos em três princípios: “Liberdade, Igualdade, Fraternidade”.

Também foi feita a Constituição Civil do Clero, em 1790, que buscava acabar com os privilégios da Igreja. Essa iniciativa confiscou as terras do clero e transformou os padres em funcionários do Estado francês. Por causa do fim dos privilégios, muitos nobres e clérigos fugiram da França e conspiravam contra a revolução no exterior.

Mesmo que tenha sido criada uma monarquia constitucional, com o parlamento sendo a Assembleia Legislativa e o rei mantendo sua posição, Luís XVI tentou fugir da França com ajuda de outros monarcas europeus. No entanto, a fuga foi descoberta e a família real foi enviada novamente a Paris.

Assim, os outros reis absolutistas começaram a ver a Revolução Francesa como uma ameaça aos seus reinados e atacaram a França. Essa guerra fez com que Luís XVI e Maria Antonieta, sua esposa, fossem presos por trair o país ao conspirar a guerra com estrangeiros.

Dessa forma, a forma de governo adotada na França passou a ser a república e a Revolução Francesa passou a sua fase mais radical.

Convenção

Após o fim da monarquia e instauração da República da França, a Assembleia Legislativa foi substituída pela Convenção, inaugurada em setembro de 1792.

Por mais que todos buscassem um novo regime político, tinham grupos com diferentes interesses dentro da burguesia, dos quais se destacavam dois:

  • Os girondinos: membros da alta burguesia (empresários e grandes comerciantes), que defendiam o liberalismo econômico e a monarquia constitucional e eram conhecidos por serem moderados;
  • Os jacobinos: representantes da baixa burguesia (intelectuais, advogados e médicos), que defendiam uma revolução com reformas econômicas e fiscais e um regime republicano, sendo considerados mais radicais.

Esses dois grupos deram origem a divisão política de direita e esquerda, já que, na Assembleia, os girondinos se sentavam à direita e os jacobinos à esquerda.

Os pensamentos diferentes desses grupos também discordavam quanto o destino de Luís XVI. Enquanto os girondinos defendiam o exílio da família real, os jacobinos desejavam a execução do rei e venceram essa discussão. Sendo assim, Luís XVI foi executado em 1793.

Execução de Luís XVI retratada em uma gravura alemã.

A execução do rei e uma revolta camponesa contrária à Revolução francesa motivaram a prisão de deputados girondinos e o início do período do Terror Jacobino, liderado por Maximilien Robespierre. Por meio do Comitê de Salvação Pública, os jacobinos fizeram suas ideias se sobressaírem as da Convenção.

Durante esse período, a situação da França foi estabilizada e a guerra foi vencida. No entanto, os jacobinos perseguiram todos que foram considerados inimigos da revolução, que eram julgados e guilhotinados, caso condenados. Estima-se que 35 a 40 mil pessoas foram condenadas à morte, incluindo a ex-rainha Maria Antonieta e o químico Antoine Lavoisier.

Por fim, os girondinos que restaram conseguiram organizar um golpe, ação ficou conhecida como Reação Termidoriana. Assim, Robespierre e outros jacobinos foram guilhotinados e a Convenção foi substituída pelo Diretório.

Diretório

A última fase da Revolução Francesa foi a da República do Diretório, formado por cinco membros eleitos pelos deputados. Nesse período, a alta burguesia e os girondinos retornam ao poder com uma nova Constituição.

Os últimos anos da Revolução Francesa foram marcados pela insatisfação da população, por uma economia ruim e por novas ameaças de guerra. Por causa disso, a alta burguesia passou a defender um governo autoritário sob liderança de uma figura de um novo monarca forte.

Sendo assim, o comandante militar Napoleão Bonaparte, com apoio da alta burguesia, conduziu um golpe que suprimiu o Diretório e declarou-se cônsul da França. Dessa forma, o período da Revolução Francesa chegou ao fim e foi iniciado o Período Napoleônico.

Consequências

O período da Revolução Francesa impactou profundamente a sociedade da época em todo o mundo, não só na Europa, e gerou mudanças políticas e sociais que influenciam o mundo até hoje. Assim, as principais consequências da Revolução Francesa são:

  • Fim dos privilégios e do feudalismo na França;
  • Início da consolidação do capitalismo na França;
  • Início da queda de reinados absolutistas na Europa;
  • Incentivo à república como forma de governo;
  • Instalação da separação dos Três Poderes e da Constituição;
  • Inspiração dos movimentos de independência das colônias no continente americano;
  • Imposição do princípio de igualdade de todos os homens perante a lei.

Veja também: 

Revolução Russa (1917)

Revolução Industrial

você pode gostar também